Visão – Animados pelo GIF (feat FalcaoLucas)

By March 11, 2016Interviews, Top

A Visão publicou um artigo sobre a Giphy e os GIFs animados e decidiu vir falar conosco. Fica aqui um excerto do artigo impresso para poderem ver o que falaram sobre nós.

Animados pelos GIF

(…)

Luís Lucas e Tânia Falcão são um só. Além de casados e pais de dois filhos, partilham um projeto de ilustração digital. Têm uma página de autor no Giphy e já trabalharam para grandes empresas internacionais, como a Paramount ou a KitKat.

Com tanta influência, hoje o Giphy já não se limita a agregar excertos de momentos cómicos de séries ou a apanhar um revirar de olhos de uma estrela de Hollywood. Os estúdios de cinema, os produtores de televisão, as marcas, as agências de publicidade ou os políticos pedem-lhes conselhos acerca da melhor forma de vender os seus produtos, quer seja uma nova temporada televisiva ou um candidato a senador.

A escolha para as campanhas de comunicação é feita através do catálogo de artistas. Sim, porque também há GIF artísticos, baseados em ilustrações digitais e raramente em imagens que já existem.

FalcaoLucas é um casal português de designers (“são extraordinários”, garantem-nos no Giphy) que tem assento na plataforma americana desde 2015, depois de uma conta especialmente bem sucedida no Tumblr (um aglomerador de microblogues). A partir do seu miniestudio, montado numa divisão da nova casa no centro da Ericeira, Tânia Falcão, 37 anos e Luís Lucas, 38 anos, fazem desenhos para todo o mundo – muito por culpa do Giphy, quando descobriram que era o único local a partir de onde se poderia partilhar estas animações no Facebook (durante muito tempo Mark Zuckerberg resistiu a permitir estas publicações com receio que elas entupissem a rede. Quando percebeu o alcance do fenómeno, e a leveza que elas agora tinham, e ainda por cima já havia forma de contornar a sua proibição, deixou de bloqueá-las).

A FalcaoLucas (sem til, por causa dos clientes internacionais) tentou entrar no Giphy através de um concurso semanal que destaca uma criação digital, mas antes disso foram contactados pela empresa para abrir uma página de autor – sempre atentos, perceberam que o casal tinha muito e bom trabalho já feito. Desde esse dia até hoje nunca ouviram o som da voz de alguém que lá trabalhe, mas os contactos têm sido mais que muitos. Sempre via e-mail. As empresas tecnológicas são assim, com identidade própria. “Trabalhamos muito, mas de uma forma informal, divertida, criativa e cultural. E há sempre aquele momento em que o escritório inteiro começa a rir às gargalhadas quando alguém partilha um GIF impressionante” conta Brad Zeff.

Comunicação sem palavras

Tânia e Luís não esperavam que um desses e-mails um dia tivesse como remetente a KitKat Internacional. Foram eles os primeiros a encomendar-lhes uma série de quatro GIF para uma campanha nas redes sociais. [GIFs KitKat] “Disseram-nos para, dentro da nossa onda artística, criarmos livremente”, lembram. Nestas encomendas o normal é pedir-se 500 a 600 euros por filme e esse valor só permite uma alteração por parte do cliente. Se houver mais, considera-se novo GIF.

Depois da animação que fizeram com os chocolates, surgiu o desafio de interpretarem a série Guerra dos Tronos antes de a HBO estrear uma nova temporada (hoje, usam a imagem que criaram nessa altura – uma caveira à frente de uma espada – na capa de proteção do telemóvel). [GIF Guerra dos Tronos] Também já têm no currículo clientes como a Paramount, por ocasião do lançamento do Terminator Genisys [GIF Terminator Genisys], e a FOX, que os contactou para uma ação de comunicação na altura dos últimos Emmys (encomendaram-lhes um GIF com a atriz Cookie Lyon, nomeada pelo seu desempenho na série Empire) [GIF Empire].

Em termos mais concretos, os GIF são utilizados como elementos de ligação cultural (mostra que se conhece um filme ou música, por exemplo), para expressão de uma emoção (como o facepalm em que transmite incredulidade) ou criar um punch line (situações cómicas). Como diz Brad Zeff à VISÃO, “os GIF solidificaram-se enquanto método de comunicação para a nova geração. Cada vez mais, são a forma como num mundo de tecnologias móveis as pessoas se relacionam entre si”.

Luisa Oliveira
VISÃO
26 Fevereiro 2016